Pequenos apontamentos – A Insustentável Leveza do Ser

Insustentável Leveza do SerNa Insustentável Leveza do nosso Ser, vivemos o desafio da criação versus encarnação.

Aspiramos expressar essa leveza que advém da elevação vibracional, do contacto com os mundos etéreos que a nossa alma conhece e o corpo carece, mas a nossa âncora de vida é a densidade que nos prende à terra.

Não falo de gravidade, falo da expressão que a energia adquire quando se faz matéria física. Tem peso e isso é uma realidade tangível, palpável! Sente-se no corpo e na alma. Percebe-se bem a expressão de “Sou um Ferrari, mas tenho de andar a 20 à hora, num beco estreito!” Não! Tu és alguém cuja alma tem um molde de um Ferrari, mas o corpo é de um Fiat 500, com muitas horas de estrada.

Se o corpo tivesse o molde da alma, a matéria desintegrava-se e voltava a ser alma. Apenas e só Alma. Por isso, falo na Insustentável Leveza do Ser.

Como gerir esta dicotomia?

Dá asas ao teu corpo, eleva-o, coloca o que te preocupa no patamar certo. Submete os teus desejos e aspirações profundas ao pulsar do universo, vais perceber que a maioria das coisas se esvaiu…

Perdoa-me, mas a maior parte do que te atormenta não têm importância nenhuma.

No entanto, se alinhares o pulsar do teu coração com o pulsar da Terra, alinhada com o Universo, acabarás por mudar.

Se tu mudas, a tua vida muda. Sabes porquê? Porque o olhar e o coração com que vives, serão diferentes; partilharão de uma Leveza Insustentável.

Sabes por que é insustentável essa leveza? Porque sempre que o corpo mergulha no que preocupa a matéria, perde a leveza que lhe vem da alma, que está alinhada com o coração da Terra.

Portanto, é sempre uma questão de escolha e de alinhamento.

É difícil perceber que grande parte das coisas em que colocamos a nossa energia, não tem importância nenhuma? Não, se tivermos asas no coração.

Em certos momentos, essas asas proporcionam-nos a Sustentável Leveza do Ser, no Corpo e na Alma.